Início > Alverca > Rua da estação continua um mar de problemas

Rua da estação continua um mar de problemas

LOCAL. Na Avenida Infante D. Pedro, em Alverca, as tampas dos colectores de esgotos domésticos saltam fora quando chove com mais intensidade. A câmara refere que o problema será ultrapassado.

Mário Caritas

Habitantes e comerciantes da Avenida Infante D. Pedro, em Alverca (mais conhecida por rua da estação), dizem-se “cansados” de esperar por medidas que resolvam os alegados problemas de saneamento e falta de limpeza urbana daquela zona baixa da cidade. Desta vez a principal dor de cabeça prende-se com o facto das tampas dos colectores de esgotos domésticos saltarem fora, quando chove, com todos os problemas daí inerentes, nomeadamente as tampas existentes junto ao cruzamento para a Rua Eng.º Vilar Queirós e as situadas em frente ao centro de formação profissional.

Ao correrem rua abaixo, os esgotos transportam consigo todo o tipo de detritos domésticos (fezes, etc.), pondo em causa a saúde pública. “Isto repete-se quando chove com mais intensidade; além disso, a imundice instalada e o cheiro nauseabundo permanecem, pois posteriormente a rua não é objecto de uma lavagem a não ser por efeito natural da água da chuva”, refere, revoltada, Isilda Moço, moradora na zona.

Isilda acrescenta que “o risco de inundação de grandes proporções agrava-se caso uma situação destas coincida com uma forte pluviosidade, já que o colector de águas pluviais estará com a sua capacidade diminuída. Por outro lado, coincidindo uma situação de inundação pluvial com o colector de esgoto doméstico em carga, as habitações serão atingidas pelo retorno do esgoto doméstico, inundando de esgoto o seu interior, ainda que tenham as entradas (portas) protegidas com comportas”.

Por isso, os habitantes questionam: “Quanto tempo mais será necessário para as entidades responsáveis avaliarem e resolverem este problema?” Esmeralda Campos, responsável por um estabelecimento comercial na zona, refere que “o que vale é que as sarjetas absorvem logo a seguir o esgoto, se isso não acontecesse era um problema de saúde pública; é um cheirete constante a cano de esgoto”.

Em declarações ao “NA”, o vereador Francisco Vale Antunes referiu que esta é uma situação que, a curto prazo, será ultrapassada, nomeadamente quando ficar concluída a obra de alargamento e limpeza do rio Crós-Cós e que será um complemento à nova ETAR (Estação de Tratamento de Águas Residuais) de Alverca que começou a funcionar em Janeiro. “Os SMAS têm investido alguns milhões na instalação de redes separativas, sendo que as situações descritas sucederam devido não só à forte pluviosidade mas também a uma avaria na estação elevatória (que escoa a água da chuva para a bacia de retenção) que durou alguns dias.”

Categorias:Alverca
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: